VIDA CRISTÃ

É possível viver de acordo com os ensinamentos de Cristo. Todavia, torna-se essencial compreender que todo o significado da vida cristã está em viver debaixo do senhorio de Jesus Cristo a sua soberania sobre o indivíduo, a partir do momento em que entregou sua vida a Cristo. Sem este compromisso básico e da criação de uma nova natureza por parte de Deus na vida de cada pessoa, esta pode ter uma vida boa e desprendida, mas não terá o Poder concedido por Deus aos que aceitam a sua soberania nem a vida eterna dada por Ele.


Como a pessoa pode deixar de pecar?

A Bíblia ensina claramente que os cristãos nem sempre cumprirão o compromisso tomado (1Jo 2.1,2). Isto não nos dá, porém direito para pecar. Em vista de o cristão ter tomado o compromisso de fazer a vontade de Deus, ele está então obrigado a participar o que é certo (Rm 6.1-4). O primeiro passo para viver segundo a vontade de Deus é tomar a decisão de render-nos a Ele. O exemplo contido em Atos 2.37-38 descreve este compromisso inicial. Depois de a pessoa ter-se tornado cristã, ela é encorajada a deixar de lado a velha vida e assumir a nova (Ef 4.22-24; Cl 3.5-7). O desenvolvimento da vida cristã é algo que leva tempo. Devemos exercitar-nos em fazer o que é certo, como antes nos exercitamos em agir erradamente. É preciso tomar decisões concretas a fim de estruturar nossa vida de forma a refletir o compromisso feito com Cristo.

Como o cristão pode sentir que seus pecados foram perdoados depois da conversão?

O perdão diante de Deus não depende de como nos sentimos, mas de termos ou não obedecido aos mandamentos bíblicos a fim de receber o perdão dos pecados cometidos antes de nos tornarmos cristãos. Em 1 João 1.9 a Bíblia diz: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”. Ele prossegue dizendo no primeiro verso do segundo capítulo: “Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o justo”. A promessa de perdão depende do fato de Jesus Cristo ter morrido pelos nossos pecados. O cristãos que peca deve arrepender-se, confessar seus pecados a Deus e orar pedindo perdão (At 8.22; Tg 5.16). No geral, a dúvida não surge do fato de Deus não ter perdoado, mas sim de nossa própria incapacidade de perdoar-nos a nós mesmos. Uma vez que tenhamos orado a Deus pedido perdão, devemos aceitar a sua graça e crer que Ele perdoou, pois essa foi uma promessa que nos fez.

É possível que alguém viva sem cometer pecado?

Segundo a Bíblia, é possível ao cristão viver sem fazer do pecado uma prática contínua. Todavia, não é possível ter uma vida tão perfeita que não pequemos de modo algum. Em João 3.9 a Bíblia diz que aquele que é nascido de Deus não comete pecado. Entretanto, o mesmo apóstolo João afirma no capítulo 1, v.10, que se dissermos que não pecamos fazemos Deus mentiroso e a sua Palavra não está em nós. João faz distinção entre viver em pecado e cometer atos pecaminosos individuais. No capítulo 1, v.7, João diz que se andarmos na luz como Deus está na luz, temos então comunhão com Ele e nossos pecados serão sempre perdoados. Dessa forma, os cristãos têm uma vida livre do poder e da culpa condenadora do pecado, mas não estamos livres de cometer atos pecaminosos.

Fala-se tanto da questão do aborto atualmente. O que as Escrituras ensinam a respeito?

A Bíblia inteira insiste na reverência pela vida humana, em vista do homem ter sido feito à imagem de Deus. “Não matarás” é um mandamento tanto no Velho como no Novo Testamento (Ex 20.13; Rm 13.9). Quando a vida se inicia no corpo da mãe, esse corpo passa a hospedar a nossa vida. Trata-se de mais do que um processo de vida, pois já existe realmente vida. Abortar essa vida é muito diferente de impedir a concepção. É possível que devido ao crescimento da população ou por razões de saúde seja necessário controlar o tamanho de uma família. Mas interromper a vida que começou como uma entidade separada no corpo da mãe é uma questão totalmente diversa. Por mais que os tribunais terrenos digam, tirar a vida continua sendo uma violação da vontade de Deus, a qual diz: “Não matarás”.

O cristão deve dar o dízimo?

Embora esta prática de contribuição tenha sido praticada com freqüência no Velho Testamento, ela não faz parte da nova aliança. No Novo Testamento, o cristão é ensinado a dar de acordo com suas posses (1Co 16.2). Deus não especificou a quantia que o cristão deve dar exceto que deve fazê-lo com generosidade (Rm 12.8). É errado realizar reuniões sociais no prédio da igreja? Não é mais errado ter reuniões desta natureza no prédio da igreja do que o seria realizá-las em nossa casa. Um prédio nada tem de sagrado. Muitos tendem a confundir o prédio da igreja sob a nova aliança com o templo e sua posição no velho trato. É interessante notar que sob a nova aliança não existe sequer menção de uma estrutura correspondente ao templo. Segundo Efésios 2.19-22 os cristãos em conjunto formam o templo de Deus.

Por que os cristãos adoram no domingo em lugar do sábado como faziam no Velho Testamento?

O Sábado de Descanso fazia parte da velha aliança que foi substituída pela nova. Em Colossenses 2.14-16, Paulo diz que desde que a lei foi pregada na cruz, o sábado, juntamente com as leis sobre alimentos e festas, não mais se aplica aos cristãos. Isto indica que os cristãos não têm um dia especial para adorar e honrar a Deus? De modo algum. O propósito do Sábado era lembrar o povo de Deus dos grandes atos da criação (Ex 20.8-11; Ex 31.16,17). O dia de adoração e memorial do cristão é o dia do maior ato de Deus, o dia em que Ele ressuscitou Jesus. Marcos 16.9 estabelece claramente que isto teve lugar no primeiro dia da semana. Atos 20.7, onde lemos que os discípulos coletavam o dinheiro no primeiro dia da semana, é uma evidência de que este era o seu dia de adoração. Embora o Sábado seja mencionado no Novo Testamento, não existe uma declaração sequer no sentido de que os cristãos se reuniam neste dia para adorar. Paulo afirmou na verdade que a lei ordenando a observação do Sábado havia sido abolida. Por outro lado, encontramos bastante evidência de que os cristãos se reuniam no primeiro dia da semana.

Como o cristão deve reagir às mudanças de estilo na moda?

Em 1 Timóteo 2.9, os cristãos são instruídos a se vestirem com modéstia e bom senso. Paulo não estava ensinando que os cristãos de todas as épocas devessem vestir-se de acordo com a moda do primeiro século. Como é evidente, surgem mudanças nesse setor. Os cristãos em qualquer sociedade devem decidir o que é modesto ou imodesto no estilo de roupas em moda, buscando agradar ao Senhor acima de todas as coisas.

A mulher deve pregar?

Em 1 Timóteo 2.12, Paulo diz: “E não permito que a mulher ensine, nem que exerça autoridade sobre o marido (o homem)”. O ato de pregar abrange uma certa autoridade e, portanto, seria contra este princípio que a mulher pregasse.

Que alimentos são proibidos aos cristãos?

O Velho Testamento cita em Levítico 11 e Deuteronômio 14 os alimentos considerados impuros sob a lei judaica. Além desses, os animais que morriam de causas naturais (Dt 14.21 e Lv 17.15), aqueles cujo sangue não tivesse sido adequadamente extraído (Lv 17.14,15) ou que tivessem tocado algo impuro (Lv 11.34) eram considerados impróprios para o consumo. Os judeus que se convertiam ao cristianismo continuavam seguindo essas leis sobre alimentos (At 10.14). Em Atos 15.20,29 os cristãos gentios tiveram instrução para abster-se “das contaminações dos ídolos, bem como da carne de animais sufocados e do sangue”. A Bíblia diz em Marcos 7.19 que Jesus declarou todos os alimentos puros. Ele explicou que o que entra no corpo do homem não é importante, mas sim aquilo que sai do seu coração (Mc 7.14-23).

Os ministros devem ser chamados de “reverendo”?

Não existe autorização no Novo Testamento para dar títulos aos ministros do evangelho. O título “reverendo” jamais é empregado com referência aos pregadores no Novo Testamento. Em 1 Timóteo 4.6, Timóteo é chamado de ministro, enquanto em 2 Timóteo 4.5 Paulo o chama de evangelista. Ambos os termos descrevem a função de Timóteo, não tendo sido aplicados como títulos. Em Mateus 20.25-28, Jesus diz que aquele que quiser ser mais importante deve ser um servo dos demais. A aplicação de títulos tem o efeito de estabelecer níveis de importância, sendo isso contrário espírito do cristianismo. Jesus proíbe especificamente títulos em Mateus 23.8-12.

Os cristãos devem viver de acordo com os mandamentos encontrados no Velho Testamento?

Os cristãos não estão sujeitos às exigências legais da velha aliança. Todavia, o mandamento do amor abrange ambos os tratos (Lv 19.18; Rm 13.8-10). Neste sentido a Lei continua a vigorar, pois a lei do amor deve ser observada pelos cristãos. É no Novo Testamento que encontramos a completa definição de como Deus quer que seus filhos vivam.

Embora eu tenha sido batizado na água e sido salvo, não sinto que tenha feito tudo o que posso. Não me sinto tão perto de Jesus com gostaria de estar. Como aproximar-me realmente de Deus?

Para crescer espiritualmente necessitamos separar um período de tempo a cada dia para ficar a sós, lendo a Bíblia e orando a Deus, aproximando-nos assim mais do Senhor. Ler a Bíblia é participar do que está lendo. Além de ler precisamos praticar o que aprendemos. Aprendemos praticando. Nós nos fortalecemos espiritualmente quando trabalhamos para o Senhor, atendendo às necessidades dos outros em nome de Cristo. Aprendemos fazendo a vontade de Deus. Quando mais obedecemos a essa vontade, tanto mais nos aproximamos de Deus. Ficar perto de Deus não é uma questão de sentimento, mas de obediência cheia de amor. Em João 14.15 Jesus disse: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos”. Devemos aprender a avaliar nosso relacionamento com Deus na base de como respondemos a ele e não como nos sentimos. Se respondemos à vontade de Deus, estamos então próximos dele e começaremos a sentir essa proximidade à medida que continuamos a obedecê-lo.

Ouvi várias pessoas mencionarem sua confiança na vida eterna. Como posso adquirir essa mesma confiança? Estou me esforçando ao máximo para obedecer a Deus. O que me preocupa mais é morrer, deixando alguma tarefa ou algum pecado não perdoado.

A salvação é gratuita. Paulo disse em Efésios 2.8: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie”. A salvação nos é concedida graciosamente por Deus. Existem, porém algumas condições que devem ser satisfeitas antes que ele dê a salvação. Nem todos serão salvos, mas apenas aqueles que crêem em Cristo, afastam-se dos pecados do mundo, confessam Cristo e são batizados. Podemos ter confiança porque podemos crer realmente que Deus fará o que disse. Paulo escreveu a Tito sobre a esperança da vida eterna que Deus, que não pode mentir, prometeu antes do início do mundo (Tito 1.2). Esta confiança baseada na sua palavra é que nos leva a aceitar a sua promessa. Jesus disse: “Quem crer e for batizado será salvo” (Mc 16.16) e ele cumprirá essa promessa.

Se você for cristão e fizer algo errado, pode pedir perdão?

Sim. Em Atos 8.14-24 Lucas registra o caso de um homem que era cristão e que pecou. Pedro lhe disse: “Arrepende-te, pois, da tua maldade, e roga ao Senhor; talvez que te seja perdoado o intento do coração”. Quando o cristão peca, ele precisa arrepender-se sinceramente e depois orar pedindo perdão.

Quando você peca, sabendo que está pecando, será possível receber perdão?

Sim. Mesmo quando a pessoa peca com conhecimento ou deliberadamente, se mais tarde arrepender-se com sinceridade e orar pedindo perdão pode ser perdoada. (1Jo 1.8-2.2).

Para ser um bom cristão é preciso freqüentar a igreja?

A fraternidade cristã é uma parte vital da vida cristã e não pode ser negligenciada (Hb 10.23-25). Em Atos 2.42-47, Lucas descreve a igreja de Jerusalém como um grupo de pessoas dependente umas das outras. Elas se reuniam para a comunhão, adoração e estudo. Suas atividades envolviam o grupo inteiro. Jesus disse que seus discípulos seriam reconhecidos pelo amor demonstrado entre eles. Seria certamente contrário ao modo de pensar de Jesus que os discípulos não se reunissem para adorar e estudar. Em Romanos 12.4,5 Paulo pede harmonia porque os cristãos são membros de um mesmo corpo. Que tipo de corpo seria se um membro se recusasse a colaborar pi repartir com os demais? Quando o corpo humano não tem boa coordenação o resultado é o caos (1Co 12.12-26). O mesmo se aplica ao corpo de Cristo. A Igreja não pode cumprir sua função sem fraternidade e colaboração. Cada membro em particular é necessário em vista da contribuição especial que cada um pode fazer.